10:37 | 27/07/2017

Scrum – uma conversa com Marino Aguiar, CIO do Santander

“O acertar ou o errar mais rápido são os principais benefícios [do Scrum]. Conseguimos ter evolução do produto disponível aos nossos clientes com menor prazo e de maneira mais assertiva do que com outras metodologias.”

Scrum é uma metodologia usada para a gestão ágil de projetos complexos e comumente aplicada no desenvolvimento de softwares. Também definido como framework, o Scrum é um processo gradual que dura de duas a quatro semanas, baseado no conceito incremental-iterativo, ou seja, aberto a adaptações e dividido em etapas, chamadas Sprints. Não por acaso, Scrum é também o nome de uma formação clássica do rugby: aquela em que, posicionados juntos, os jogadores formam uma muralha. A metodologia requer trabalho de equipe e, caso um membro falhe, todo o processo é afetado.

Fonte: shutterstock

A maioria dos elementos do Scrum costuma ser utilizada em sua nomenclatura original, em inglês. No que tange às pessoas, há o Product Owner (dono do produto, projeto ou software a ser trabalhado), o Scrum Master (quem faz a ligação entre o Product Owner e a equipe) e o Team Development (time que trabalha para o desenvolvimento do projeto, produto ou software). Entre as ferramentas ou práticas, há o Product Backlog (registro de áreas do produto a serem desenvolvidas), o Daily Scrum (reunião diária organizada pelo Scrum Master), o Sprint Backlog (tempo em que uma tarefa, chamada de user story, vai ser concluída) e o Burndown Chart (tabela que faz a monitorização do progresso de cada Sprint), entre outros.

Marino Aguiar, CIO do Santander, diz que, no banco, o Scrum é utilizado pela Diretoria de Tecnologia para o Desenvolvimento em conjunto com a Área de Negócios (de diferentes projetos e produtos de softwares), voltada, principalmente, para o relacionamento com o cliente. “Utilizamos nos chamados Canais de Relacionamento Digitais, como Mobile Banking, Internet  Banking, e CRM (Customer Relationship Management, ou gestão do relacionamento com o cliente), entre outros”.

Aguiar conta que o Santander pode aplicar o Scrum, por exemplo, para estudar o comportamento de um cliente em uma determinada transação (como uma transferência de valores), entender suas necessidades e oferecer-lhe a transação melhorada. Tudo com a agilidade característica da metodologia. “Em até quatro semanas, que é um prazo pequeno, é possível haver um incremento do produto”. 

Chamada de Time to Market, a velocidade de entrega, significa melhora na qualidade do projeto, dos produtos ou dos softwares, menos “retrabalho”, maior proximidade de negócios e trabalho colaborativo (pelo envolvimento e comprometimento de diversas áreas). “O acertar ou o errar mais rápido são os principais benefícios”, explica Aguiar. E é daí que vem o retorno financeiro. “Conseguimos ter evolução do produto disponível aos nossos clientes com menor prazo e de maneira mais assertiva do que com outras metodologias.”

O Scrum pode ser visto como substituto da metodologia tradicional de desenvolvimento de projetos conhecida por Waterfall (cascata), na qual, basicamente, o projeto só pode avançar após o término de uma fase e não há mobilidade. “Na Waterfall é preciso especificar todas as necessidades, desenhar toda a solução e documentar todos os requisitos antes da construção efetiva do processo. No Scrum, essas fases acontecem paralelamente e em porções menores, agregando valor aos clientes e aos negócios”, diz Aguiar.

Algumas características específicas garantem que o Scrum seja aplicado e aproveitado em toda sua totalidade. Dentre elas, estão a coleta de feedback antecipado (garantindo o aumento do retorno do investimento), a definição de time-boxes (marcadores que evitam desperdício de tempo), a mitigação de riscos (entregas menores, riscos menores) e a equipe auto-gerenciável e com perfil multidisciplinar. Há ainda duas outras características, relacionadas diretamente à origem do nome do processo: comunicação próxima entre os desenvolvedores do produto e do negócio (o que permite rapidez na tomada de decisão) e planejamento colaborativo, com o envolvimento de todos os grupos necessários e das mais variadas áreas (negócios, desenvolvimento de sistemas, infraestrutura, qualidade etc.). Scrum é, acima de tudo, trabalho de time.