11:02 | 26/07/2017

O que é a Indústria 4.0 afinal?

Conheça os pilares da Indústria 4.0

Fábricas inteligentes são o foco da Indústria 4.0, com operações baseadas em tecnologia da informação e uma evolução na cadeia de abastecimento e linha de produção, elevando tanto sua digitalização quanto sua automação. Isso implica em máquinas que utilizam a auto otimização, autoconfiguração e até mesmo a inteligência artificial para completar tarefas complexas, a fim de entregar bens ou serviços mais eficientes e de qualidade superiores.

Fonte: Shutterstock

Sempre que uma grande mudança atinge um setor específico, a criação de um termo para isso é certa.  Vamos falar um pouco mais sobre a combinação de indústria com a internet das coisas, chamada de Indústria 4.0

Para esclarecer bem o que isso significa, vale dizer que não se trata de uma nova tecnologia, nem mesmo uma disciplina de negócios. De fato, é a possibilidade de se alcançar resultados que não eram possíveis a 10 anos, graças aos avanços tecnológicos que conseguimos na última década. Para se iniciar o caminho rumo a indústria 4.0, uma empresa deve começar a pensar em como é possível eliminar as barreiras entre a tecnologia, os produtos e as pessoas, aumentando assim sua cadeia de valor.

Os principais pilares que sustentam a Indústria 4.0 são

1. Robôs automatizados: Mais flexíveis e cooperativos, futuramente serão capazes de interagir tanto com humanos como com outras máquinas de maneira inteligente, além de realizar suas funções atuais.

2. Manufatura aditiva: Criação de peças em impressoras 3D sem o uso de moldes físicos, usando apenas a adição de matéria-prima. 

3. Simulação: Os produtos serão testados e otimizados durante a fase de concepção, diminuindo muito o tempo e o custo de criação.

4. Integração horizontal e vertical de sistemas: Por meio da digitalização de dados é possível aos sistemas de TI integrarem uma cadeia de valor automatizada.

5. Internet das coisas: Máquinas conectadas por meio de sensores e dispositivos que possibilitem a automação e centralização da produção.

6. Big Data: Otimiza a qualidade da produção ao identificar a falhas no processo da empresa, economizando energia e tornando mais eficiente a utilização dos recursos na produção, além de oferecer insumos para criação de novos produtos.

7. Computação em nuvem: Um banco de dados acessível de qualquer lugar do mundo, a qualquer hora, por meio da internet.

8. Segurança cibernética: Os meios de comunicação estão mais sofisticados e muito mais seguros.

9. Realidade aumentada: Capaz de realizar uma infinidade de serviços, os sistemas baseados nesta tecnologia possibilitam ações como realizar testes e customizações virtuais ou enviar instruções de reparação por meio de dispositivos móveis.

Tais aplicações podem ser estudadas e aplicadas em todos os tipos de empresas, da micro à grandes indústrias. O importante é considerar que esta evolução pode ser gradual, sendo aplicada de modo que agregue cada vez mais valor à produção, mas sem esquecer que este é um futuro real, e que aqueles que se adiantarem neste processo estarão ganhando, e muito, em competitividade.

Fonte: Cerasis.