11:19 | 26/07/2017

Internet das Coisas - uma conversa com Ricardo Kahn, da AES Brasil

Não é uma mudança na Internet como a concebemos, e sim outra maneira de usá-la

Internet das Coisas, ou IoT (do inglês Internet of Things), é a revolução tecnológica já em andamento que pretende conectar todos os dispositivos à nossa volta por meio da rede mundial de computadores. Não é uma mudança na Internet como a concebemos, e sim outra maneira de usá-la – de forma quase onipresente e exigindo cada vez menos intervenção humana. Um exemplo fácil de compreender é o da geladeira que comunica-se com o supermercado para adquirir os itens que estão faltando. Eletrodomésticos que se comunicam com empresas de energia elétrica já são quase uma realidade no Brasil.

A AES tem um projeto piloto rodando em Barueri (Região Metropolitana de São Paulo), chamado Smart Grid, no qual o relógio de luz convencional é substituído por um medidor de consumo inteligente (smart meter) capaz de se comunicar internamente com os dispositivos eletrônicos da casa e, externamente, com a rede elétrica, chaves religadoras, subestações e transformadores. “Em caso de falha, por exemplo, o tempo de reação da Eletropaulo é muito mais rápido e preciso. Não é necessário mandar um técnico – que poder ficar preso no trânsito – para identificar e resolver o problema”, diz Ricardo Kahn, gerente de Inovação da AES Brasil.

Fonte: sala de imprensa AES

O Smart Grid foi lançado em 2013 e, segundo Kahn, é o conceito para o qual todas as utilities do mundo caminham, uma vez que a troca de informação é instantânea e o acesso, direto. “O cliente já não se satisfaz em esperar um mês para saber o que está acontecendo. Ele pode acessar suas informações e tomar providências na hora, caso queira economizar, por exemplo”. 

Para a empresa, há mais dois benefícios: diminuir a margem de erro em todos os processos e dispensar a necessidade da presença do leiturista, aquele profissional que faz a leitura dos medidores de energia. Presente em larga escala no Brasil, o leiturista agora também está conectado à Internet das Coisas: em 2012, a AES começou a implementar o “On Site Billing”, processo de permite ao cliente receber a fatura imediata da sua conta de luz.

Por meio de dois devices conectados (o PDA, ou computador de mão, e uma impressora), o leiturista mede o consumo, envia informações para a nuvem, que as processa, e então as devolve já impressas ao cliente. Tudo isso on site, no local. “É muito mais ágil e barato. Antes, o leiturista anotava a medição, voltava para empresa, a informação era colocada no computador e, depois de um tempo, impressa e enviada para o cliente pelo correio”, diz Kahn.

Fique ligado na plataforma CNI Digital para mais conteúdos sobre Internet das Coisas!