15:18 | 26/07/2017

Big Data - uma conversa com Marcelo Blois, da GE, e Celso Poderoso, da MicroStrategy Brasil

“As empresas que estão saindo na frente na utilização dessa tecnologia vêm conseguindo uma vantagem competitiva que pode modificar completamente a estrutura do segmento em que atuam” (Celso Poderoso, diretor da MicroStrategy Brasil)

Big Data define a imensa quantidade de informações digitais que nos cercam e a sua apropriação graças à crescente capacidade das tecnologias de processamento de dados, que permitem coletar, armazenar e analisar essas informações. O conceito ganhou força a partir dos anos 2000, por meio de sua articulação com os “três Vs”: Volume, Velocidade e Variedade. Hoje, fala-se em Big Data 5Vs, que considera ainda a Veracidade e o Valor. Em suma, o Big Data deve considerar o volume de dados, a velocidade com que são analisados (quase em tempo real), a gama variada de formatos em que esses dados estão gerados, a veracidade ou precisão das informações e o valor criado a partir delas.

Aumentar a produtividade, otimizar processos, gerar economia, permitir análises mais seguras, entender o perfil do consumidor e aproximar produtos e prever comportamentos, tendências e cenários são algumas das possibilidades do Big Data. A GE, por exemplo, desenvolve softwares e sistemas de automação para captura e análise de dados que identificam oportunidades em manufatura, logística e operação das indústrias.

Segundo Marcelo Blois, líder da área de Software & Analytics do Centro de Pesquisas Global da GE, o uso do Big Data na área da saúde pode aprimorar os resultados de exames. “Na mamografia, por exemplo, as imagens capturadas pelos equipamentos são coletadas em tempo real por um software e enviadas para a nuvem, onde são feitas análises para determinar se a qualidade da imagem está boa ou se um novo exame é necessário. Tudo na hora, o que evita desperdício de tempo e estresse do paciente.”

Fonte: itsa brasil

 

Além de oferecer Big Data para outras empresas, a GE aplica a abordagem em um projeto-piloto próprio, chamado GE Oil & Gas, em Jandira (SP). “A unidade faz uso do software para rastrear cerca de 4 mil ativos e pretende reduzir o tempo de inventário dos materiais em processo de três para um único dia, economizando, já a partir de 2016, aproximadamente US$ 300 mil por ano”, diz Blois.

Consultora e desenvolvedora empresarial de softwares, a MicroStrategy Brasil utiliza o Big Data para oferecer serviços em que o volume, a variedade e a velocidade não podem ser resolvidos através de técnicas tradicionais. Celso Poderoso, diretor de Consultoria para América Latina da companhia, diz que o acesso rápido e fácil ao Big Data possibilita às empresas a expansão do universo de análise e a melhoria do processo de tomada de decisões. “Para o nosso consumidor final, que são executivos corporativos, isso pode representar até a sobrevivência do negócio, pois as empresas que estão saindo na frente na utilização dessa tecnologia vêm conseguindo uma vantagem competitiva que pode modificar completamente a estrutura do segmento em que atuam”, diz Poderoso.

 

Fique ligado na plataforma CNI Digital para mais conteúdos sobre Big Data!