15:02 | 26/07/2017

A revolução da impressão 3D

Impressoras 3D dispensam moldes em seus processos digitais de produção, possibilitando a criação de objetos altamente customizados, atendendo a necessidades e públicos específicos.

A revolução da impressão 3D – uma conversa com Eduardo Lopes, do Olabi Makerspace, Heloisa Neves, da We Fab, e Pablo Maricevich, do Hospital da Restauração

Impressão 3D é a possibilidade de transformar um desenho no computador em um objeto tridimensional, passível de ser produzido com diversos materiais. Basicamente, uma impressora 3D é um equipamento de manufatura aditiva, assim chamada pela possibilidade de construir objetos por meio da adição de materiais (termoplásticos, resinas ou ligas metálicas) na impressão. Um modelo tridimensional é criado no computador e, então, “fatiado” em camadas bem finas (de cerca de 0,1mm de espessura) pelo software da máquina. A partir daí, a impressora deposita o material, camada sobre camada, até que se atinja o tamanho do objeto.

Fonte: shutterstock

Segundo Eduardo Lopes, COO do Olabi Makerspace, espaço criativo de inovação e novas tecnologias no Rio de Janeiro, o maior benefício da Impressora 3D está na parte da prototipagem, que demanda pouco tempo e custo baixo, ampliando o potencial do desenvolvimento de novas ideias. “Você cria, prototipa e em questão de horas já tem informações que podem levar à melhora da ideia sem depender de terceiros ou de uma grande indústria”, diz.

A Olabi já prototipou material de laboratório, como pipetas, e atualmente trabalha na criação de um produto final: pequenos microscópios de baixo custo. Estes, porém, são apenas alguns exemplos. De acordo com Lopes, grandes empresas que utilizam as impressoras para criar protótipos alcançam reduções drásticas no tempo de desenvolvimentos do produto, com impactos positivos no custo final.

A We Fab, em São Paulo, também utiliza a Impressão 3D na criação de produtos e protótipos. Segundo a fundadora do espaço, Heloisa Neves, a maior parte dos sprints (protótipos) feitos no local é produzida para empresas e visa concretizar ideias de novos produtos ou serviços. “A impressora 3D entra para materializar pequenas peças de encaixe ou partes do objeto que precisam de resistência maior. Como, por exemplo, a impressão de um bico para ser acoplado a uma bisnaga de pasta de dente. Ou a criação das rodinhas de um robô.”

Cirurgia plástica, oncológica e ortopedia são áreas de saúde nas quais a Impressão 3D já está presente. O cirurgião plástico Pablo Maricevich, do Hospital da Restauração, em Recife, usa a prototipagem e a Impressão 3D como auxílio nas cirurgias de reconstruções craniofaciais. “A Impressora 3D é capaz de confeccionar implantes cranianos que se encaixam com perfeição no defeito do paciente, possibilitando uma reconstrução que beira a perfeição.” De acordo com Maricevich, a impressão em três dimensões ajuda a esclarecer o paciente e a ensinar o cirurgião em formação, além de permitir um planejamento mais rápido do procedimento cirúrgico.

A perfeição do resultado final é o ponto alto da técnica. E a partir dela, outros benefícios são agregados. Enquanto as máquinas tradicionais, voltadas para produção em série, necessitam de moldes de custo elevado e produzem dezenas de milhares de peças idênticas para compensar o investimento, as impressoras 3D dispensam moldes em seus processos digitais de produção, possibilitando a criação de objetos altamente customizados, atendendo a necessidades e públicos específicos.